Introdução ao Direito do Consumidor

Diego Monteiro atualmente é servidor público em Brasília e escreve sobre vários temas para concurso público. Já foi aprovado para diversos cargos e no Exame da OAB.

O Código de Defesa do Consumidor é um microssistema aplicado em todas as relações de consumo com características principiológicas. Dessa forma, para aplicar este sistema é necessário um diálogo entre as fontes do direito, visando atingir e efetivar os princípios basilares.

Possui um nível de garantia fundamental, uma vez estar previsto no art. 5º da Constituição Federal

Art. 5º XXXII – o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;

 

Princípio da vulnerabilidade

Princípio fundamental da relação de consumo, visto que seus direitos e garantias lhe são devidos por estar em situação de vulnerabilidade com o fornecedor. O Estado intervém na relação de consumo para equilibrar os dois polos da relação, de forma que o fornecedor, detendo o poder sobre os mercados, não abuse de seu poder em relação ao consumidor subordinado a ele.

Controle da publicidade

De forma a proteger o consumidor contra a propaganda enganosa ou abusiva, prima pela boa-fé objetiva e obriga o fornecedor a respeitar seu fornecedor ainda na fase pré-contratual.

Consumidor
Conceito legal: Art 2º, CDC. “Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final.”

Conceito doutrinário: consumidor é aquele que, em posição de vulnerabilidade do mercado de Uso próprio ou familiar

Uma característica exigida ao consumidor é a destinação final. No entanto, esta posição é dúbia diante das possibilidades concretas. Assim, desde a vigência do CDC, duas correntes interpretativas, os maximalistas e os finalistas, disputam o conteúdo da expressão.

Para os maximalistas, destinatário final do produto ou serviço é quem o retira do mercado, utilizando-o e consumindo-o. Por esta razão, defendem que a expressão “consumidor” deve ser entendida o mais amplamente possível. Consideram esta definição é puramente objetiva, não importando se a pessoa física ou jurídica tem ou não finalidade comercial quando adquire ou utiliza produto ou serviço.

Os finalistas, por sua vez, defendem que somente o destinatário fático e econômico é merecedor de proteção. Exigem que a retirada do produto ou serviço da cadeia de produção, seja para utilização pessoal, familiar ou privada. Entendem os finalistas que o deve tutelar de maneira especial um grupo vulnerável, ou seja, em princípio, os não profissionais.

Consumidor equiparado

1. Coletividade de pessoas – art 2º, parágrafo único, equipara consumidor “a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo”.

Exemplo – uma imobiliária de uma cidade litorânea anuncia pela imprensa a venda de um loteamento cujos lotes ficam de frente para o mar, mas na realidade somente alguns poucos lotes tem essa característica, pois os demais ficam de frente para um morro. Está claro que a imobiliária fez propaganda enganosa, assim, toda a coletividade é consumidora por equiparação, pois o número de pessoas atingidas por essa publicidade é indeterminável. Desta forma todos que ajuizarem ação contra a imobiliária estarão no exercício de um legítimo direito por serem consumidores por equiparação.

2. Vítima de acidente de consumo – o art, 17 prevê a equiparação a consumidor de todas vítimas do evento.

Exemplo – uma pessoa compra maionese, faz uma salada e serve para alguns amigos. A maionese estava estragada e todos passam mal. Todos os amigos são consumidores por equiparação, pois foram atingidos pelo defeito do produto.

Características do consumidor

a) Destinatário fático e econômico
Ser destinatário fático significa que você consome o produto ou serviço. Enquanto isso, o destinatário econômico apenas retira o produto de circulação, sem consumi-lo.
b) Suprir necessidades
c) Não profissionalidade


Você também pode gostar

Melhore o desempenho em provas de Concurso Concorrer uma vaga em Concurso Público exige muito estudo e disciplina. Há casos em que os candidatos tentam por vários anos até atingirem o grande objetivo da aprovação. Uma boa preparação é o melhor caminho para quem quer melhorar o seu desempen...
Princípio da indisponibilidade dos direitos trabalhistas O Princípio da indisponibilidade, também chamado de princípio da imperatividade, é uma limitação à autonomia das partes no direito do trabalho. No direito civil, as partes têm autonomia para negociar cláusulas contratuais. No direito do trabalho, ...
Poderes administrativos Um tema de conhecimento indispensável para o concurso na hora da prova, quer de ensino médio ou nível superior, é poderes administrativos. Esse tema compreende o poder hierárquico, poder disciplinar, poder de polícia e poder regulamentar. Alguns a...
Lei Orçamentária Anual (LOA) Após o estudo do Plano Plurianual (PPA) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) vamos analisar o orçamento em si, chamado de Lei Orçamentária Anual (LOA). Definição: Podemos elencar alguns pontos importantes no estudo da lei orçamentária: ...
Poderes de Estado Os Poderes de Estado, de acordo com a Constituição Federal de 1988, são: Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Todos estes são poderes da União. A cada um dos Poderes de Estado foi atribuído uma função principal. Essa tripartição foi concebida,...

Deixe uma resposta