Introdução ao Direito do Consumidor

O Código de Defesa do Consumidor é um microssistema aplicado em todas as relações de consumo com características principiológicas. Dessa forma, para aplicar este sistema é necessário um diálogo entre as fontes do direito, visando atingir e efetivar os princípios basilares.

Possui um nível de garantia fundamental, uma vez estar previsto no art. 5º da Constituição Federal

Art. 5º XXXII – o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;

 

Princípio da vulnerabilidade

Princípio fundamental da relação de consumo, visto que seus direitos e garantias lhe são devidos por estar em situação de vulnerabilidade com o fornecedor. O Estado intervém na relação de consumo para equilibrar os dois polos da relação, de forma que o fornecedor, detendo o poder sobre os mercados, não abuse de seu poder em relação ao consumidor subordinado a ele.

Controle da publicidade

De forma a proteger o consumidor contra a propaganda enganosa ou abusiva, prima pela boa-fé objetiva e obriga o fornecedor a respeitar seu fornecedor ainda na fase pré-contratual.

Consumidor
Conceito legal: Art 2º, CDC. “Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final.”

Conceito doutrinário: consumidor é aquele que, em posição de vulnerabilidade do mercado de Uso próprio ou familiar

Uma característica exigida ao consumidor é a destinação final. No entanto, esta posição é dúbia diante das possibilidades concretas. Assim, desde a vigência do CDC, duas correntes interpretativas, os maximalistas e os finalistas, disputam o conteúdo da expressão.

Para os maximalistas, destinatário final do produto ou serviço é quem o retira do mercado, utilizando-o e consumindo-o. Por esta razão, defendem que a expressão “consumidor” deve ser entendida o mais amplamente possível. Consideram esta definição é puramente objetiva, não importando se a pessoa física ou jurídica tem ou não finalidade comercial quando adquire ou utiliza produto ou serviço.

Os finalistas, por sua vez, defendem que somente o destinatário fático e econômico é merecedor de proteção. Exigem que a retirada do produto ou serviço da cadeia de produção, seja para utilização pessoal, familiar ou privada. Entendem os finalistas que o deve tutelar de maneira especial um grupo vulnerável, ou seja, em princípio, os não profissionais.

Consumidor equiparado

1. Coletividade de pessoas – art 2º, parágrafo único, equipara consumidor “a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo”.

Exemplo – uma imobiliária de uma cidade litorânea anuncia pela imprensa a venda de um loteamento cujos lotes ficam de frente para o mar, mas na realidade somente alguns poucos lotes tem essa característica, pois os demais ficam de frente para um morro. Está claro que a imobiliária fez propaganda enganosa, assim, toda a coletividade é consumidora por equiparação, pois o número de pessoas atingidas por essa publicidade é indeterminável. Desta forma todos que ajuizarem ação contra a imobiliária estarão no exercício de um legítimo direito por serem consumidores por equiparação.

2. Vítima de acidente de consumo – o art, 17 prevê a equiparação a consumidor de todas vítimas do evento.

Exemplo – uma pessoa compra maionese, faz uma salada e serve para alguns amigos. A maionese estava estragada e todos passam mal. Todos os amigos são consumidores por equiparação, pois foram atingidos pelo defeito do produto.

Características do consumidor

a) Destinatário fático e econômico
Ser destinatário fático significa que você consome o produto ou serviço. Enquanto isso, o destinatário econômico apenas retira o produto de circulação, sem consumi-lo.
b) Suprir necessidades
c) Não profissionalidade



Você também pode gostar

Agentes Públicos Agentes Públicos são todos aqueles que exercem funções públicas, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo. Assim devemos entender o conceito de ...
Formas de provimento dos Cargos Públicos Conheça as Formas de provimento dos Cargos Públicos previstas na Lei 8112/90. O que é provimento ? Provimento é quando o cargo público é preenchido. É feito por ato da autoridade competente de cada poder. Por exemplo, o chefe do Poder Executivo tem...
O que cai na prova de concurso público Já fez uma análise sobre O que cai na prova de concurso público ? Nos últimos anos, o número de pessoas que escolheram prestar concursos públicos aumentou consideravelmente: a crise econômica no país, o desejo de um emprego estável e um bom salári...
Diferença entre crime e contravenção penal A infração penal é o gênero do qual decorrem duas espécies, Crime e Contravenção. Entretanto, “infração penal”, é um termo genérico, que pode tanto se referir a um “crime” ou a uma “contravenção penal”. Antes de entender efetivamente a Diferenç...
17 metas para 2017 17 metas para ter em 2017 Estudar Você precisa entender o estudo como um trabalho, um compromisso sério. Isso significa que, algumas vezes, você vai precisar deixar de fazer algumas coisas que gostaria para estudar. Mas lembre-se, esse é seu objeti...

Deixe uma resposta