Questões da Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO)

Língua Portuguesa - Interpretação de Textos - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


No texto, a narradora suscita a reflexão acerca da eternidade a partir da
    A) mentira que pregara na chegada à escola.

    B) limitação que a falta de dinheiro lhe impunha.

    C) descoberta de que o chicle não acabaria nunca.

    D) relação afetiva que havia entre a ela e sua irmã.

    E) satisfação que o gosto adocicado do chicle proporcionava.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Ortografia - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


No texto, foram empregadas as palavras (l. 31) e ótimo (l. 35), ambas acentuadas graficamente.
Duas outras palavras corretamente acentuadas pelos mesmos motivos que e ótimo são, respectivamente,
    A) juíz e ébano

    B) Icaraí e rítmo

    C) caquís e incrédulo

    D) país e sonâmbulo

    E) abacaxí e econômia

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Ortografia - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


A frase em que a palavra ou expressão destacada respeita as regras ortográficas e gramaticais da norma padrão é:
    A) As crianças querem estar aonde a fantasia está.

    B) Queremos saber por que a ideia de eternidade nos fascina.

    C) O gosto adocicado do chicle mau acaba e queremos outro.

    D) Nada como balas e chicletes durante uma seção de cinema.

    E) A ideia de viver para sempre persegue o homem a séculos.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Morfologia - Pronomes - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


Assim como no trecho “E, ainda perplexa, encaminhávamo-nos para a escola.” (l. 35-36), a colocação do pronome destacado respeita a norma-padrão da língua portuguesa, em:
    A) Pediria-lhes para considerar a possibilidade da eternidade.

    B) A curiosidade não leva-nos a atitudes bobas e despropositadas.

    C) O prazer que experimenta-se com o sabor dos doces é enorme.

    D) Poucos se impressionam com a descoberta da possibilidade da eternidade.

    E) Nos perguntamos até quando vamos sonhar com uma vida eterna de prazer.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Interpretação de Textos - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


No trecho “Agora não posso mastigar mais! A bala acabou!” (l. 54-55), o segundo período apresenta, em relação à informação explicitada no primeiro, uma noção de
    A) causa

    B) condição

    C) consequência

    D) modo

    E) tempo

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Interpretação de Textos - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


A narradora do texto experimenta um sentimento de perplexidade diante da ideia de eternidade.
Esse sentimento se revela, explicitamente, no seguinte trecho:
    A) “Eu nem sabia bem de que espécie de bala ou bombom se tratava.” (l. 4-5)

    B) “quase não podia acreditar no milagre.” (l. 18-19)

    C) “Perder a eternidade? Nunca.” (l. 33)

    D) “Acabou-se o docinho. E agora?” (l. 37)

    E) “Eu não quis confessar que não estava à altura da eternidade.” (l. 47-48)

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Conhecimentos Bancários - - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Considerando a prática do Sistema Financeiro Nacional, a ampliação dos meios de pagamento, na forma tanto de papel-moeda em poder do público quanto de depósitos do público nos bancos comerciais (o chamado M1), resulta de operações realizadas
    A) exclusivamente pelo Banco Central do Brasil

    B) exclusivamente pelo Banco do Brasil

    C) exclusivamente pelos bancos comerciais

    D) pelo Banco Central do Brasil e pelos bancos comerciais

    E) pelo Banco Central do Brasil e pelas corretoras de valores

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:
Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


Conforme o Manual de Redação da Presidência da República, a clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, não sendo nele admitidas ambiguidades.


Tal característica, necessária ao texto oficial, é encontrada na seguinte frase:

    A) A autoridade em exercício comunica aos servidores que as medidas mencionadas em sua carta aberta deverão ter prioridade.

    B) Os órgãos públicos federais, estaduais e municipais deverão encaminhar as informações sobre a área em estudo consideradas adequadas.

    C) Foi cancelada a fala oficial para a cerimônia de posse na qual investi muito trabalho.

    D) O gerente de produção comunicou a seu assessor direto que ele será exonerado.

    E) O advogado criticou o artigo do edital que foi cancelado.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Pontuação - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


A frase que apresenta todas as vírgulas corretamente empregadas, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, é:
    A) A menina que descobriu o chicle, também experimentou, a possibilidade da eternidade.

    B) São consideradas maravilhosas, aquelas histórias de príncipes e fadas, que vivem eternamente.

    C) Aproveitou, a textura, o sabor docinho do chicle, e ainda o comparou com o mundo impossível da eternidade.

    D) Muitas crianças, quando se deparam com o desconhecido, passam a fantasiar sobre ele na tentativa de entendê-lo.

    E) Quando as crianças sonham, em serem príncipes, princesas e fadas, elas fantasiam sobre viverem felizes para sempre.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão:

Língua Portuguesa - Morfologia - Verbos - Fundação CESGRANRIO (CESGRANRIO) - 2021 - Banco da Amazônia - Técnico Científico

Medo da eternidade


LISPECTOR, Clarice. Medo da eternidade. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p.2, 6 jun. 1970.


Em que frase o verbo destacado está flexionado, quanto a número e pessoa, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa?
    A) No texto, relacionam-se aos chicles a ideia de eternidade.

    B) Referiu-se à eternidade, sem se dar conta, as duas meninas.

    C) Enganam-se a respeito da eternidade aqueles que creem nela.

    D) Todos os anos, consome-se muitas balas e chicletes em todo o país.

    E) Em muitas culturas, defendem-se calorosamente a existência da eternidade.

Clique em uma opção abaixo para responder a questão: