Poderes administrativos

Diego Monteiro atualmente é servidor público em Brasília e escreve sobre vários temas para concurso público. Já foi aprovado para diversos cargos e no Exame da OAB.

Um tema de conhecimento indispensável para o concurso na hora da prova, quer de ensino médio ou nível superior, é poderes administrativos. Esse tema compreende o poder hierárquico, poder disciplinar, poder de polícia e poder regulamentar.

Alguns autores incluem o poder vinculado e o poder discricionário como poderes administrativos, mas a maioria doutrinária entende que esses são espécies de atos da administração.

Poder hierárquico

Possui as prerrogativas de dar ordens, rever atos, fiscalizar, avocar atribuições e delegar competências. As bancas examinadoras costumam confundir os candidatos descrevendo o conceito de poder hierárquico e atribuindo-o ao poder disciplinar. Portanto, fique atento!

Importante relembrarmos a diferente entre delegação e avocação:

Delegação é o ato discricionário pelo qual o superior hierárquico ou de mesma hierarquia confere o exercício temporário de atribuições que, originalmente, são de seu cargo. Importante lembrar que neste caso quem pratica o ato responderá por seus abusos ou erros cometidos. Não podem ser delegadas: a) edição de atos normativos b) decisão de recursos administrativos c) matérias de competência exclusiva do órgão

Enquanto isso, a avocação é caracterizada quando um superior hierárquico traz para si competência do seu subordinado. Ao contrário do que acontece na delegação, na avocação é obrigatória que a relação se dê entre superior e subordinado. A avocação deve ser sempre motivada, e esta desonera o subordinado de responsabilidade. Há vedação quanto a avocação de competência exclusiva do subordinado.

Poder disciplinar

É o poder pelo qual a administração pública pune seus agentes públicos e os particulares com vínculo jurídico com a administração. Caracteriza-se por ser um poder misto, visto que ora é interno (quando é aplicado aos seus agentes públicos) ora externo (situação em que aplica-se aos particulares). Em regra é um poder discricionário. São exemplos do poder disciplinar: aplicação de demissão a ocupante de cargo efetivo  e a aplicação de penalidade às concessionárias.

Poder de polícia

É o poder mais cobrado em provas. É caracterizado como um poder de império (em virtude da supremacia do interesse público) e extroverso (por alcançar pessoas fora da administração), e é utilizado para limitar a liberdade dos particulares que não possuem vínculo com a administração.  Em regra é preventivo, e excepcionalmente repressivo.

Um conceito muito cobrado e que merece atenção, é o de poder de polícia expresso no Código Tributário Nacional:

Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito, interêsse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de intêresse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranqüilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos.

O poder de polícia possui como atributos: discricionaridade, imperatividade, coercibilidade e autoexecutoriedade. Para lembrar esses atributos na hora da prova, guarde o mnemônico DICA.

Atente ao prazo de prescrição da sanção de polícia: 5 anos, de acordo com o art. 1º da Lei 9.873∕99.

Poder regulamentar

Por fim, o poder regulamentar decorre do poder normativo da administração, manifestando-se pela edição de decretos. Podem ser:

Decreto regulamentar: é a regra de manifestação desse poder. Apenas regulamenta a lei, não podendo inovar no ordenamento jurídico. Quem pode editá-los são os chefes do poder executivo, por meio de competência exclusiva.

Decreto autônomo: sua finalidade é dispor especificamente dos seguintes temas:

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:
VI – dispor, mediante decreto, sobre:
a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos;
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;


Você também pode gostar

Diferença entre Efetividade, Estabilidade e Vitaliciedade Vamos entender as características de cada categoria (Efetividade, Estabilidade e Vitaliciedade), e suas diferenças. Temos a estabilidade como o direito de permanência no serviço público, destinado aos servidores detentores de cargo de provimento e...
Como montar um plano de estudos para concursos Quando se tem por objetivo passar em um concurso público, estudar se torna a atividade mais importante de um concurseiro. Mas sem um plano de estudos bem definido, é mais difícil conseguir ter foco e separar tempo de modo eficiente para os estudos. A...
Classificação dos Bens Públicos O assunto bens públicos, apesar de ser  recorrente em prova,  as bancas normalmente não cobram pontos mais complicados, acabando seguindo o caminho mais trivial. Mas isso não quer dizer que você não deva estudar, afinal você sabe que um pontinho é...
Princípios Constitucionais do Direito Penal Você sabe a diferença entre os princípios constitucionais no Direito Penal?  Vamos estudar agora, sobre cada um. Os princípios constitucionais do Direito Penal são normas retiradas da Constituição Federal, que servem como base de compreensão para ...
Princípios da Administração Pública Os princípios da Administração Pública, como o próprio conceito da palavra exprime, são as diretrizes a serem seguidas por cada ramo do direito. O estudo e a compreensão do alcance dos mesmos é essencial para o concurseiro realizar uma boa prova. ...

Deixe uma resposta