Poderes administrativos

Um tema de conhecimento indispensável para o concurso na hora da prova, quer de ensino médio ou nível superior, é poderes administrativos. Esse tema compreende o poder hierárquico, poder disciplinar, poder de polícia e poder regulamentar.

Alguns autores incluem o poder vinculado e o poder discricionário como poderes administrativos, mas a maioria doutrinária entende que esses são espécies de atos da administração.

Poder hierárquico

Possui as prerrogativas de dar ordens, rever atos, fiscalizar, avocar atribuições e delegar competências. As bancas examinadoras costumam confundir os candidatos descrevendo o conceito de poder hierárquico e atribuindo-o ao poder disciplinar. Portanto, fique atento!

Importante relembrarmos a diferente entre delegação e avocação:

Delegação é o ato discricionário pelo qual o superior hierárquico ou de mesma hierarquia confere o exercício temporário de atribuições que, originalmente, são de seu cargo. Importante lembrar que neste caso quem pratica o ato responderá por seus abusos ou erros cometidos. Não podem ser delegadas: a) edição de atos normativos b) decisão de recursos administrativos c) matérias de competência exclusiva do órgão

Enquanto isso, a avocação é caracterizada quando um superior hierárquico traz para si competência do seu subordinado. Ao contrário do que acontece na delegação, na avocação é obrigatória que a relação se dê entre superior e subordinado. A avocação deve ser sempre motivada, e esta desonera o subordinado de responsabilidade. Há vedação quanto a avocação de competência exclusiva do subordinado.

Poder disciplinar

É o poder pelo qual a administração pública pune seus agentes públicos e os particulares com vínculo jurídico com a administração. Caracteriza-se por ser um poder misto, visto que ora é interno (quando é aplicado aos seus agentes públicos) ora externo (situação em que aplica-se aos particulares). Em regra é um poder discricionário. São exemplos do poder disciplinar: aplicação de demissão a ocupante de cargo efetivo  e a aplicação de penalidade às concessionárias.

Poder de polícia

É o poder mais cobrado em provas. É caracterizado como um poder de império (em virtude da supremacia do interesse público) e extroverso (por alcançar pessoas fora da administração), e é utilizado para limitar a liberdade dos particulares que não possuem vínculo com a administração.  Em regra é preventivo, e excepcionalmente repressivo.

Um conceito muito cobrado e que merece atenção, é o de poder de polícia expresso no Código Tributário Nacional:

Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito, interêsse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de intêresse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranqüilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos.

O poder de polícia possui como atributos: discricionaridade, imperatividade, coercibilidade e autoexecutoriedade. Para lembrar esses atributos na hora da prova, guarde o mnemônico DICA.

Atente ao prazo de prescrição da sanção de polícia: 5 anos, de acordo com o art. 1º da Lei 9.873∕99.

Poder regulamentar

Por fim, o poder regulamentar decorre do poder normativo da administração, manifestando-se pela edição de decretos. Podem ser:

Decreto regulamentar: é a regra de manifestação desse poder. Apenas regulamenta a lei, não podendo inovar no ordenamento jurídico. Quem pode editá-los são os chefes do poder executivo, por meio de competência exclusiva.

Decreto autônomo: sua finalidade é dispor especificamente dos seguintes temas:

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:
VI – dispor, mediante decreto, sobre:
a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos;
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;



Você também pode gostar

Como fazer Resumos para Concursos INTERPRETE O TEXTO A parte mais importante que muitos estudantes não dão a devida atenção quando se perguntam como fazer resumos, é a atenção que deve ser dada na hora de ler o texto e interpretá-lo. Sem compreender o que está sendo tratado ou se ...
Como estudar para concurso com edital aberto Mesmo agora no fim do ano de 2016, muitos concursos públicos estão abrindo edital, principalmente os concursos da carreira de tribunais. A dúvida de muitos estudantes, tanto aqueles que já estão com uma boa preparação como aqueles que decidem estudar...
Quais são os Remédios Constitucionais Remédios Constitucionais Resumo Alguns concurseiros, principalmente os iniciantes, acreditam que para estudar direito constitucional, só é necessário decorar alguns artigos. O que em alguns casos, dependendo da banca, é bastante útil. Mas inf...
Fontes do Direito Administrativo A doutrina apresenta quatro principais Fontes  do Direito Administrativo, que são: a lei; a jurisprudência; a doutrina; e os costumes. Agora, vamos entender sobre as diferenças e características de cada uma dessas Fontes do Direito Administrativo....
Como estudar a lei seca Na hora de estudar para seu concurso, você, concurseiro, deve ter em mente que não deverá se limitar a apenas um método de estudos, mas sim combinar alguns para ter um estudo completo e se diferenciar dos outros candidatos. No caminho dos concursos, ...

Deixe uma resposta