Morfologia – O que é e quais são as classificações?

Série Dicas

A Morfologia é um dos assuntos mais importantes da gramática da língua portuguesa. Seu estudo está relacionado à estrutura das palavras, como ela é formada e como se dá sua classificação. Saiba no artigo abaixo tudo sobre o tema.

Morfologia

O que é Morfologia?

Morfologia tem origem no grego e significa: morphe (forma) e logía (estudo). É então o estudo da estrutura e da classificação das palavras. Esse estudo é feito na palavra isolada e não no contexto dela, como em orações ou períodos gramaticais.

Morfologia é considerada a primeira ferramenta de análise da gramática que observa os fonemas conectados a um significado léxico, quer dizer, a palavra.

O que é a análise morfológica e sintática?

Não é só a análise morfológica que existe na língua portuguesa, seu estudo compreende três formas de análise dos elementos que a constituem:

A morfologia, a sintaxe e a semântica:

  • morfologia: estudo individualizado das palavras de uma oração;
  • sintaxe: estudo da organização e relacionamento das palavras na oração;
  • semântica: estudo do sentido que as palavras apresentam de acordo com o contexto de uma oração.

Quais são as classes gramaticais?

A morfologia sistematiza em classes as unidades mínimas dotadas de sentido, de acordo com as características e funções comuns entre elas.

As classes gramaticais são:

  • Substantivo
  • Adjetivo
  • Artigo
  • Pronome
  • Numeral
  • Verbo
  • Advérbio
  • Conjunção
  • Preposição
  • Interjeição

O que são palavras variáveis e invariáveis na morfologia?

Como mostrado acima, morfologia se divide em dez classes gramaticais, entre elas estão a classe de palavras variáveis que são os substantivos, artigo, verbos, adjetivos, pronomes e numerais. Já as palavras invariáveis são compostas pelos advérbios, preposições, interjeições e conjunções.

Numeral: tem a peculiaridade de poder ser classificado como variável e invariável.

O que é desinência nominal e verbal?

Na morfologia, as palavras que sofrem variações em sua estrutura são chamadas de desinências nominais de gênero e de número. As desinências verbais, por sua vez,  indicam modo, tempo, número e pessoa.

Desinência nominal

Os morfemas, quando se unem ao radical, determinam as flexões que ocorrem nas palavras.

Por exemplo, a palavra meninas: o gênero dessa palavra é feminino e o ‘s’ serve para identificar que a palavra está no plural, também considerada uma desinência de número.

Desinência verbal

Na desinência verbal o modo e o tempo é que definem os elementos mórficos da palavra. Elas podem ser:

Desinência modo temporal – indica o modo e o tempo em que ocorre a ação verbal.

Exemplo: gritava
-va: desinência modo temporal indicativa do pretérito imperfeito do indicativo

Desinência número pessoal – indica o número e a pessoa a qual se refere a ação verbal.
Exemplo: leio
-o: desinência número pessoal indicativa da primeira pessoa do singular

Desinência verbo nominal – indica as formas nominais dos verbos no infinitivo, gerúndio e particípio.
Exemplo:

Ler: desinência verbo nominal indicativa do infinitivo
Lendo: desinência verbo nominal indicativa do gerúndio
Lido: desinência verbo nominal indicativa do particípio

Quais são os tipos de derivação de palavras na morfologia?

Derivação de palavras é o processo da formação da palavra. É o acréscimo de afixos a uma raiz (um radical, ou uma palavra primitiva).

A derivação pode ser classificada como: prefixal, sufixal, prefixal e sufixal (juntas), parassintética.

Prefixal: “vírus” (na palavra vírus, ao acrescentar o prefixo ‘anti’ ela dará origem a uma nova palavra= “antivírus”).

Sufixal: “parede” (ao adicionar o sufixo “dão” na palavra parede, ela também dará origem a uma nova palavra “paredão”.

Prefixal e sufixal: essa é a união de dois elementos em uma só palavra. Nesse caso, ao retirar o sufixo ou prefixo, a palavra não perde o sentido.
Exemplo: “desigualdade” (prefixo ‘des’ junto com o radical “igual” mais o sufixo ‘dade’) significa que ao ser retirado um dos lados ou mesmo dois dos lados não altera o significado da palavra.

Parassintética: diferente da prefixal e sufixal, na parassintética, ao retirar um dos elementos mórficos a palavra perde o sentido.
Exemplo: “entristecer”, (ao retirar o prefixo ‘en’ a palavra ficaria ‘tristecer’; e ao tirar o sufixo ‘ecer’ a palavra que se formaria seria ‘entrist’, ou seja, a palavra perde o seu significado.

Regressiva: nesse caso, ao mudar um fragmento da palavra, muda-se a classe gramatical que ela representa. Por exemplo, a palavra “ajudar” é um verbo pela sua classe gramatical, mas se no lugar do sufixo ‘ar’ substituímos pela vogal ‘a’ teremos a palavra “ajuda” que pela língua portuguesa é um substantivo.

Imprópria: parecida com a regressiva, na imprópria não se mexe na palavra, apenas nos elementos externos. A mudança da classe da palavra se dá dentro do contexto da frase, não modificando a sua estrutura. Na palavra “jantar”, por exemplo, analisada sozinha ela é um verbo, mas observada na frase ‘Ele estão preparando o jantar’ altera-se, portanto, classe gramatical, e ao invés de verbo ela passa a ser um substantivo.

O que é vogal temática?

• Vogal temática – é a vogal que forma uma palavra quando unida a um radical. Nos verbos, por exemplo, a vogal temática indica em que conjugação ele se encontra. São três as vogais temáticas: a, e, i.

Após o radical, os verbos terminados em

  • ‘ar’ são de primeira conjugação;
  • terminados em ‘er’ são de segunda conjugação;
  • terminados em ‘ir’, terceira conjugação.

Exemplos:
• Andar
• Pegar
• ler
• Ver
•Querer
• Ouvir

O que é a composição das palavras?

Na morfologia, a composição é um dos processos de formação de novas palavras a partir de duas ou mais palavras simples ou radicais.

Um exemplo é a palavra ‘beija-flor’ (beija + flor). A palavra é composta pelo verbo ‘beijar’ e pelo substantivo ‘flor’, as quais, juntas com hífen, formam o nome de um pássaro.

Composição por justaposição

Ocorre quando os elementos ou palavras estão lado a lado. Trata-se da junção de duas ou mais palavras ou radicais sem que haja alterações sonoras e/ou ortográficas. A alteração ocorre apenas no significado da nova palavra formada após a composição.

Exemplos:

  • Segunda-feira
  • Guarda-roupa
  • Girassol
  • Audiovisual
  • Paraquedas

Composição por aglutinação

Ocorre quando os elementos ou palavras se unem. Significa que pelo menos uma de suas partes perde sua integridade sonora ou ortográfica.

Exemplos:

  • Aguardente (água + ardente)
  • Vinagre (vinho + acre)
  • Pernalta (perna + alta)
  • Boquiaberto (boca + aberta)

Composição por hibridismo

É a construção de palavras por meio de dois radicais de origens distintas.
Exemplo:

  • romanista = romano (latim) + ista (grego)
  • automóvel = auto (grego) + móvel (latim)

Composição por onomatopeia

Formação de palavras através da repetição de seu som. Muito comum em história de quadrinhos.
Exemplo:

  • toque- toque (barulho ao bater na porta)
  • tic-tac (barulho do relógio)

Composição por siglas

Redução de expressões grandes com o objetivo de formar palavras por meio de suas iniciais.

Exemplos:

  • OMS (Organização Mundial da Saúde)
  • ONU (Organização das Nações Unidas)

 

Gostou do conteúdo? deixe um comentário abaixo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up

{TITLE}

{CONTENT}

{TITLE}

{CONTENT}
Precisa de ajuda? Entre em contato!
0%
Aguarde, enviando solicitação!

Carregando...

Leia o post anterior:
Concurso HCRP – 2020 – Medico I – Edital nº 47
Concurso HCRP – 2020 – Médico I – Edital nº 47

Informações Concurso HCRP - 2020 - Médico I - Edital nº 47O Concurso HCRP - 2020 - Médico I -...

Fechar