Questões da Banca IF - CE

Encontre Questões da Banca IF - CE com o filtro abaixo,

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Redação Oficial

Sobre o OFÍCIO, não está correto o que se afirma em:

a) A procedência e a data devem ser alinhadas à direita.
b) Todos os parágrafos devem ser numerados.
c) É também utilizado por particulares.
d) Tem formato uniforme.
e) Do vocativo, deve constar apenas o cargo da autoridade a quem se dirige e nunca o seu nome civil.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

Todas as afirmativas relacionadas à prática da redação oficial estão corretas, exceto:

a) Representação é o instrumento por meio do qual um servidor se dirige a uma autoridade pública, para solicitar a concessão de um direito, sob o amparo da lei.
b) A forma de tratamento para o cargo de diretor é V. Sa.
c) Não se usa o ponto entre a casa do milhar e a da centena no numeral que indica ano.
d) A forma de tratamento V.Exa. não pode ser abreviada quando o destinatário é o chefe do Poder Executivo.
e) Quando um requerimento é indeferido pela segunda vez, faz-se um terceiro a uma instância administrativa superior, com o nome de recurso.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009


Na expressão "... uns bobos..." (linha 5), o artigo indefinido uns foi empregado:

a) com o intuito de apresentar ao leitor um ser ainda não conhecido.
b) para deixar bem marcada uma comparação.
c) como uma forma de dar ênfase ao substantivo bobos.
d) de forma aleatória, podendo assim ser trocado pelo artigo os.
e) para dar ao substantivo bobos um sentido vago.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009

Só uma palavra em destaque está corretamente classificada quanto à classe gramatical:

a) "Muitas das habilidades..." (linha 1) - advérbio
b) "... que ajudaram..." (linha 2) - conjunção integrante
c) "... para uma criança..." (linhas 8 e 9) - preposição
d) "... algumas escolas..." (linha 25) - adjetivo
e) "entender que..." (linha 30) - pronome relativo

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

Está corretamente pontuado:

a) Quando chamamos o adolescente de aborrecente estamos praticando além de um grande desrespeito, a desfaçatez de desconsiderar que, um dia dominados pelas mesmas emoções vivemos esse complicado momento da existência humana.
b) Quando chamamos o adolescente de aborrecente estamos praticando além de um grande desrespeito a desfaçatez de desconsiderar que, um dia, dominados pelas mesmas emoções vivemos, esse complicado momento da existência humana.
c) Quando chamamos o adolescente de aborrecente estamos praticando, além de um grande desrespeito, a desfaçatez de desconsiderar que um dia, dominados pelas mesmas emoções vivemos esse complicado momento da existência humana.
d) Quando chamamos o adolescente de aborrecente, estamos praticando além de um grande desrespeito, a desfaçatez de desconsiderar que um dia dominados pelas mesmas emoções vivemos esse complicado momento da existência humana.
e) Quando chamamos o adolescente de aborrecente, estamos praticando, além de um grande desrespeito, a desfaçatez de desconsiderar que, um dia, dominados pelas mesmas emoções, vivemos esse complicado momento da existência humana.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Concordância Nominal

Considerando o que determina a norma culta relativamente à concordância nominal, marque a opção que completa as lacunas do texto a seguir:
As pessoas que estão atravessando a adolescência ficam sempre ____ desconfiadas de que os adultos as perseguem. Por isso, fazem uma força _____ para serem poupadas de com eles conviver. Evitando enfrentar situações em que tenham de proferir ________ injúrias, os adolescentes permanecem o mais _________ calados.

a) meio, monstra, bastantes, possível
b) meia, monstro, bastante, possíveis
c) meio, monstro, bastantes, possível
d) meia, monstra, bastante, possível
e) meio, monstro,bastante, possível

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009


A palavra "porque" (linha 25) preenche corretamente a lacuna da opção:

a) O adolescente não sabe ____ é tão incompreendido.
b) Apenas _____ são impulsivos, os adolescentes são discriminados.
c) Sendo mais atentos, podemos compreender ____ os adolescentes são impulsivos.
d) Nem sempre os adultos compreendem ____ os adolescentes precisam compensar a sensação de tédio.
e) O adolescente se sente entediado muitas vezes sem saber ____.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009


Marque a opção que contém as possíveis substituições das formas verbais em destaque:

I. Devem existir explicações cientificas para o comportamento dos adolescentes.

II. Os pais se desesperam, quando percebem que estão existindo problemas no relacionamento com seus filhos adolescentes.

III. Se existiram problemas na adolescência, por certo faltou compreensão dos adultos.

a) Deve haver, estão havendo, houve
b) Devem haver, está havendo, houve
c) Deve haver, está havendo, houveram
d) Deve haver, está havendo, houve.
e) Devem haver, estão havendo, houveram

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Concordância Verbal

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009


O verbo PARECER, presente no trecho "... parece que..." (linha 27), está flexionado de acordo com as normas de concordância verbal em:

a) As ideias do texto parece agradarem a todos.
b) As conclusões do autor parecem serem absurdas.
c) As afirmações do texto parece surpreender os leitores.
d) As situações descritas parecem estarem presentes na vida de todos.
e) As explicações do autor parece justificar as excentricidades dos adolescentes.

IF - CE - IF - CE - Contador - 2010
Português / Geral

PARA QUE SERVE A ADOLESCÊNCIA


Muitas das habilidades exclusivas aos seres humanos são desenvolvidas durante o período da
adolescência. E foram essas capacidades que ajudaram nossa espécie a sobreviver ao longo da evolução.
Com a adolescência, ganhamos um tempo extra, além da infância, para organizar o cérebro: dos 11 aos 20
anos. Esse tempo a mais de reordenação cerebral permitiu que a espécie humana desenvolvesse uma
capacidade intelectual incrível. Sem a adolescência, os humanos não passariam de uns bobos incoerentes
dotados de um cérebro enorme.
É só olhar uma criança aos 10 anos e uma pessoa aos 20. No final da adolescência, conseguimos
articular pensamentos e levantar hipóteses a partir de abstrações, algo que é tremendamente difícil para uma
criança de 10 anos, acostumada a pensar em termos mais concretos. Com 20 anos, somos capazes de
estabelecer objetivos de longo prazo e esperar que eles aconteçam. Para uma criança, o tempo não passa.
Elas precisam obter recompensas imediatamente. Essas habilidades que vêm com a adolescência – abstração,
planejamento, além de uma boa dose de autonomia – são importantes para garantir nossa sobrevivência na
vida adulta.
O cérebro atinge o tamanho que terá na vida adulta aos 12 anos nas meninas e aos 14 nos garotos.
Desde antes do nascimento até essa idade, nossos neurônios construíram ligações uns com os outros,
estabeleceram novos caminhos para as informações circularem dentro do cérebro. Na adolescência, esse
grande emaranhado de massa cinzenta precisa ser reorganizado. Muitas dessas conexões são desligadas.
Outras são ativadas.
Tantas alterações afetam a capacidade dos adolescentes de prever consequências. Por isso, eles
costumam ser impulsivos. Mudanças no nível de dopamina, uma substância que transporta as informações
entre os neurônios, também podem explicar as alterações na personalidade. Ela inibe o funcionamento de
algumas regiões do cérebro que controlam o prazer. Isso explica por que os adolescentes procuram
experiências arriscadas. Eles precisam compensar a sensação de tédio causada pela supressão das atividades
dessas áreas. Essa também é a raiz do comportamento de contestação e rebeldia.
Nos Estados Unidos e na Europa, as aulas em algumas escolas começam mais tarde porque a direção
leva em consideração que o relógio biológico dos adolescentes está sempre desajustado. Em se tratando de
adultos e nas crianças, ele é perfeitamente programado para 24 horas. Para os adolescentes, parece que está
sempre funcionado atrasado, com 25 ou 26 horas. É por isso que eles querem ficar acordados até mais tarde e
não conseguem acordar cedo.
Precisamos igualmente entender que não é possível mudar a disposição dos adolescentes para correr
riscos. O que podemos e precisamos fazer é alertá-los para as atitudes muito perigosas, como fazer sexo sem
proteção. Temos de lembrar que os adolescentes existem para tornar nossa espécie bem-sucedida. Não para
fazer a vida dos adultos mais fácil.

BAINBRIDGE, David. Revista Época. Seção Ciência e Tecnologia. 20/07/2009


O a que antecede o substantivo adolescência deve receber acento indicativo de crase:

a) Durante a adolescência, o cérebro passa por mudanças radicais.
b) O texto faz alusão a adolescência.
c) Compreender a adolescência é prerrogativa de poucos.
d) Não se deve considerar a adolescência uma fase negra da vida.
e) Até a adolescência tem seus encantos.

Seja aprovado em 1 ano Conheça o método para ser aprovado em Concurso Público

Estude Grátis é uma simples e poderosa ferramenta que lhe ajudará a passar nos melhores Concursos Públicos. São milhares de Questões de Concurso para você filtrar e estudar somente aqueles temas que estão especificados em seu Edital.