Quais são os Remédios Constitucionais

Remédios Constitucionais Resumo

Alguns concurseiros, principalmente os iniciantes, acreditam que para estudar direito constitucional, só é necessário decorar alguns artigos. O que em alguns casos, dependendo da banca, é bastante útil.

Mas infelizmente as bancas não cobram apenas a “lei seca”, elaboram questões de forma mais aprofundada, com interpretações e jurisprudência.

Sendo assim, o candidato que quer ser aprovado não deve ficar apenas com o estudo da “lei seca” ou com decorebas. Tem de buscar um conhecimento mais detalhado, e principalmente sobre determinados assuntos.

Seguindo esse princípio, hoje estudaremos os Remédios Constitucionais.

Remédios Constitucionais são instrumentos colocados à disposição do indivíduo para que ele possa atuar quando os direitos e a próprias  garantias são violadas. Atuam para salvaguardar seus direitos diante da irregularidade ou abuso de poder cometido pelo Poder Público.

Quais são os Remédios Constitucionais ?

Os Remédios Constitucionais são: habeas data, habeas corpus, mandados de segurança, mandados de injunção e ação popular.

Habeas Corpus

É utilizado contra a ilegalidade ou abuso de poder no caso de direito de locomoção da pessoa natural, não pode ser usado em favor da pessoa jurídica. É ação de natureza penal e isenta de custas.

O habeas corpus pode ser:

  1. Repressivo, quando o indivíduo foi ilegalmente preso.
  2. Preventivo, quando o indivíduo esta na iminência de ser preso.

A legitimação ativa no habeas corpus é universal, qualquer indivíduo do povo independente de sua nacionalidade estado civil, idade, sexo, estado mental, pode impetrar com habeas corpus, em benefício próprio ou alheio. Pessoa jurídica pode ingressar a favor da pessoa física a ela ligada.

Exige-se que a ação seja redigida em língua portuguesa, e não há necessidade de advogado para impetração de habeas corpus.

Mandado de Segurança

A Constituição Federal no artigo 5°, no inciso LXIX, explica o Mandado de Segurança da seguinte forma:

LXIX –“ Conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito liquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável  pela ilegalidade ou abuso de poder  for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público.”

O mandado de segurança é bem simples, o próprio artigo é auto explicativo. Mas existem alguns pontos que normalmente são questões de prova, então é importante ficarmos atentos.

Nunca devemos esquecer que o mandado de segurança garante o direito liquido e certo, quando não já não for protegido por outros remédios constitucionais ( Habeas corpus, habeas data, ação popular, etc…).

Existe um ponto muito importante quando falamos sobre este assunto, que é legitimidade ativa e passiva.

Legitimidade Passiva

É a autoridade coatora, a responsável pela ilegalidade ou abuso de poder. É considerada autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane ordem para a sua prática.

Atividade Ativa

É aquele que detém o direito liquido e certo, e que podem ser as pessoas físicas e as jurídicas.

Outro ponto bastante importante é que o mandado de segurança pode ser tanto repressivo de ilegalidade ou abuso de poder, ou preventivo, quando estivermos diante de ameaça à violação de direito liquido e certo do impetrante.

O prazo para impetração do mandado de segurança é de 120 dias. E o impetrante pode desistir a qualquer tempo.

Mando de Segurança Coletivo

O Mandado de Segurança Coletivo, visa a proteção de direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, contra atos ou omissões ilegais ou com abuso de poder de autoridade, buscando a preservação ou reparação de interesses transindividuais, sejam individuais homogêneos, sejam coletivos.

Interesses Individuais homogêneos

Decorrente de origem comum e da atividade ou situação específica da totalidade, ou de parte dos associados ou membros do impetrante;

Interesses Coletivos

Natureza indivisível, de que seja titular um grupo ou categoria de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica básica.

Pode ser impetrado por partido político legalmente representado no Congresso Nacional, ou por organização sindical, entidades de classe e associações.

Para um partido político ter representação, bastará a existência de um único parlamentar na Câmara ou Senado, filiado ao partido. Já as organizações sindicais, entidades de classe e associações, dever ser legalmente constituídas (pelo menos um ano, no caso das associações) e atuar na defesa dos interesses dos seus membros e associados.

Qual a diferença entre Mandado de Segurança Individual e Mandado de Segurança Coletivo?

A grande diferença do Mandado de Segurança individual (que acabamos de ver) e o Mandado de Segurança Coletivo está no seu objeto e na legitimação ativa.

Mandado de Injunção

Concederá mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania.

O mandado de injunção confere efetiva aplicabilidade e eficácia ao texto constitucional para que não se torne letra morta, em razão da omissão do legislador na sua regulamentação.

Precisa de três os pressupostos para o mandado de injunção:

  1. Falta de norma regulamentadora;
  2. Inviabilização do exercício de um direito ou liberdade constitucional;
  3. Transcurso de razoável prazo para a elaboração da norma regulamentadora.

Quem pode impetrar Mandado de Injunção ?

Qualquer pessoa pode impetrar mandado de injunção. O STF já admitiu ajuizamento de mandado injunção coletivo.

Ação popular

A ação popular não é ação destinada à defesa do interesse subjetivo individual, mas sim coletivo, que visa anular ato lesivo ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural.

Será preventivo, quando visar a impedir a consumação de um ato lesivo ao patrimônio público. Ou repressivo, quando já existe um dano ao patrimônio público.

Somente o cidadão em gozo de seus direitos políticos e cívicos, isto é, que seja eleitor (capacidade eleitoral ativa) pode propor a ação popular.

O autor da ação popular é isento de custas e de ônus de sucumbência, salvo se comprovar má fé.

Habeas Data

O habeas data é o último remédio constitucional que iremos estudar. É usado para assegurar as informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público. É usado também para a retificação de dados.

Qualquer pessoa, física ou jurídica, pode ajuizar a ação constitucional de habeas data para ter acesso às informações a seu respeito.

O procedimento administrativo para acesso a informações e retificações de dados, bem como a ação de habeas data, são gratuitos conforme o art. 21 da lei de habeas corpus.

Terminamos aqui o estudo dos Remédios Constitucionais.

Questões sobre remédios constitucionais

Resolva questões sobre o assunto em https://www.estudegratis.com.br/questoes-de-concurso/materia/direito-constitucional/assunto/garantias-fundamentais-remedios-constitucionais

Bibliografia:
Livro Direito Constitucional Esquematizado, autor Pedro Lenza.
Livro Direito Constitucional Descomplicado, autor Marcelo Alexandrino.



Você também pode gostar

Como organizar sua mesa de estudos Muitas vezes passamos grande tempo na frente de nossa mesa de estudos, mas sentimos que não aproveitamos o tempo da forma que deveríamos. As dicas de hoje são de como organizar sua mesa de estudos de forma a melhorar o rendimento e evitar a procrasti...
Princípios do Direito do Trabalho Dentro do Direito do Trabalho temos diversos princípios. Sendo assim, abordaremos os mais importantes Princípios do Direito do Trabalho para fins de concurso. Princípios do Direito do Trabalho Principio protetor. Principio da norma mais favo...
Motivação para passar em Concursos Públicos Motivação A motivação é o principal combustível para os estudos. Sem ela, nossa vontade de estudar simplesmente deixa de existir. Seguem algumas dicas para mantê-lo motivado na preparação para Provas de Concurso. Mantenha o foco Mantenha-se focado...
Conceito de Estado Hoje vamos estudar sobre o conceito de Estado, que é um ente personalizado, apresentando-se exteriormente, nas relações internacionais com outros Estados soberanos, e, internamente, como pessoa jurídica de direito público capaz de adquirir direitos e...
Diferença entre crime e contravenção penal A infração penal é o gênero do qual decorrem duas espécies, Crime e Contravenção. Entretanto, “infração penal”, é um termo genérico, que pode tanto se referir a um “crime” ou a uma “contravenção penal”. Antes de entender efetivamente a Diferenç...

1 comentário

Deixe uma resposta