Curso de Infografia

Apesar de ser uma atividade vulgarmente atribuída a designers, a infografia é tratada mais frequentemente sob uma perspetiva jornalística.

Tem seu uso voltado à comunicação e seus contextos de aplicação (jornais, revistas e demais mídias impressas ou digitais), devido à própria natureza informacional dos infográficos.

Introdução

“Há casos em que o texto é um apoio à infografia, mas não faz sentido que tente explicá-la – ela deve falar por si.”

“Informar de forma rápida, eficaz e esteticamente apelativa.”

Desde o início dos anos 80, com o jornal USA Today, que a infografia tem ganho destaque no jornalismo através do desenvolvimento de sistemas de informação/Tecnologias de Informação e Comunicação que potenciaram a informatização das redações tornando este processo mais facilitado.

Atualmente, o processo em que o jornalismo se encontra de transição de paradigma torna a questão da definição e delimitação de conceitos imperativa, passando a ser a infografia uma das áreas com maior relevância nas discussões do campo jornalístico.

A questão muitas vezes colocada pelos teóricos e profissionais da área centra-se na veracidade da afirmação “A infografia é jornalismo”.

A infografia é um género jornalístico complementar ou autónomo, o infografismo tem vindo a conquistar espaço e estatuto.

As infografias explicam o que um texto não descreve, o que uma foto não mostra. E fazem-no sem se sobrepor a nenhum dos dois, podendo até incorporá-los no cumprimento da sua missão primordial: informar de forma rápida, eficaz e esteticamente apelativa.

História da Infografia no Brasil

No início do século XIX, as primeiras publicações editoriais brasileiras privilegiavam o texto escrito na transmissão das informações, principalmente pelas limitações tecnológicas da época. Isso significa que, em suas raízes, a mídia revista dedicava espaço e focalizava seu interesse no texto escrito.

Uso da imagem

No início do século XX, ocorreu uma série de transformações científicas e tecnológicas que se refletiram na vida cotidiana e na remodelação das cidades.

As caricaturas, que tiveram seu auge a partir de 1849, continuavam em alta e, ao mesmo tempo, com o avanço dos processos de impressão, as fotografias também ganharam espaço nas páginas das revistas.

Entre o final do século XIX e início do século XX surgiu um novo tipo de revista, voltada para o público masculino. Esse tipo de publicação trazia notas políticas e sociais, piadas e contos picantes, caricaturas, desenhos e fotos eróticas.

A infografia como uma nova linguagem

Com o avanço na tecnologia e as inovações na impressão, além da utilização em larga escala dos computadores, uma outra linguagem jornalística – a infografia – começou a ocupar cada vez mais espaço nos veículos de comunicação impressa, juntamente com fotografias e ilustrações.

Isso equivale a dizer que a linguagem jornalística utilizada na mídia impressa, particularmente nas revistas, está se tornando mais imagética a cada dia.

Além disso, atualmente, essa linguagem, que dá preferência à imagem, parece encaixar-se mais adequadamente ao estilo de vida da população: o infográfico é lido em poucos minutos, já que é predominantemente visual, e apresentasse de uma forma fácil de compreender a uma grande parcela da população.

Principais características e conceitos da infografia

A primeira principal característica dessa linguagem é a conectividade e a  interatividade entre texto e imagem.

Além disso, há que se considerar a clareza no tratamento da informação. A imagem deixa de ter somente o papel de ilustrar o texto escrito, pelo contrário, apresenta-se como a própria informação, protagonizando, juntamente com o verbal, o processo de comunicação.

O infográfico não deve ser considerado apenas um conjunto de tabelas, cores, desenhos, fotos que têm o intuito de deixar a página mais bonita. Quando bem utilizado, convida para a reportagem, informa tanto (ou mais) do que o texto verbal longo aliado de fotografia e outros elementos. O desafio para as revistas é avaliar em que momentos essa linguagem é adequada e de que forma deve ser apresentada ao seu leitor.

Infográficos e Jornalismo

Informar e não somente entreter – Uma das características básicas do infográfico diz respeito à sua natureza jornalística. Portanto, já que tem como objetivo a transmissão de uma mensagem, além do simples entretenimento, é preciso checar as informações dele, assim como acontece no texto escrito.

O infográfico também precisa ter começo, meio e fim, ou melhor, precisa evitar a utilização de informações incompletas tanto visual quanto textualmente.

Utilização da cor como informação – O infográfico exige atenção especial na utilização das cores. Em gráficos, mapas e infográficos, as cores são informações e devem ser tratadas como tal. Por isso, têm que ser usadas como recursos para dar mais clareza e nunca para confundir o leitor.

Portanto, faz-se necessária a utilização de elementos gráficos, principalmente cores, de acordo com o repertório comum ao público-alvo, evitando, assim, mal-entendidos na transmissão da informação.

Sendo assim, o infográfico irá utilizar as cores e outros elementos básicos com base no repertório do senso comum, por exemplo, usando o preto e vermelho em matérias que fazem referência à guerra.

Por último, manter o foco é fundamental na hora de elaborar um infográfico, ou seja, as informações que não acrescentam ao tema devem ser cortadas e só deve ficar aquilo que for necessário para ajudar na compreensão do fato ou do processo explicado. Simplificá-lo, ou melhor, extrair os excessos decorativos, é, geralmente, o segredo para deixá-lo mais claro.

Caráter jornalístico dos infográficos

É importante considerar o caráter jornalístico do infográfico: ele deveria responder às tradicionais perguntas: o quê?, quem?, quando?, como?, onde? e por quê?, já que um de seus objetivos é informar e não somente entreter. No caso das matérias nas mais diferentes mídias, as respostas às tradicionais perguntas do jornalismo são respondidas, em geral, no lead, que é normalmente o primeiro parágrafo da matéria.

Já nos infográficos, mesmo que essas informações não estejam na abertura ou no primeiro parágrafo, o leitor poderá encontrá-las diluídas ao longo da página. A partir desse conceito, seria possível considerar que os infográficos também poderiam ser construídos segundo a lógica da pirâmide invertida.

A técnica da pirâmide invertida, em resumo, consiste em apresentar aninformação mais importante antes de qualquer outra, abrindo a matéria. Essa técnica se opõe à narrativa tradicional, adotada em romances, em peças de teatro, na indústria cinematrográfica, entre outros.

Nesse tipo de narrativa, o clímax do acontecimento é relatado do meio para o final da obra, ou seja, em romances, peças teatrais ou filmes a organização se dá em blocos narrativos sempre provocando uma crescente emocional.

Nessas narrações, o final precisa ser impactante e ficar marcado na mente dos espectadores ou leitores. No Jornalismo, a lógica se inverte e o início da matéria apresenta o clímax da notícia, o fato que gerou aquela reportagem.

Tipos de Diagramas

Cronologia
Ótimo para ilustrar a história, a evolução e/ou transformação de uma marca, de um produto ou de uma problemática ao longo do tempo.
cronologiaGráficos circulares
Ex: para comparar as partes de um orçamento destinado para determinados cargos, as partes de certos setores em uma economia, um ecossistema de venda, etc.culpa

Gráficos de colunas comparadas
Ex : para comparar as porcentagens exprimindo opiniões diferentes durante uma sondagem e/ou questionário.
quaseioa

Perfis comparados:
Associado a um texto, permitem responder à pergunta: “qual tipo de usuário você é ?”.
profile

Tabela comparativas:
Ex : Para comparar os custos de alguns produtos de consumo, entre diversos países.tabela-comparativa

Tree maps:
Ex : utilizar uma abordagem contrastiva, para ver, em um piscar de olhos, a parte relativa de um elemento, em um conjunto.
treemaps

Organogramas:
Ex : para realizar uma demonstração lógica, uma relação de causa e efeito.

Diagramas de Venn
Os diagramas de Venn são esquemas geométricos (círculos) para mostrar as inter-relações entre diferentes itens, que podem estar contidos em um ou mais conjuntos, geralmente representando conceitos.diagrama

Mapas anotados
Ex: Mapas geográficos, que delimitam as diferentes situações e/ou dados entre vários países (com cores, textos em destaque, etc).

Algumas dicas interessantes

Identificar o objetivo da computação gráfica –  Traduzir simplesmente os dados complexos, para comparar ou destacar informações, identificar tendências e/ou desenvolvimentos, fazer um balanço, etc. E, isso tudo, em uma única imagem.

Escolher uma ideia diretiva e/ou tema forte – o que a computação gráfica deve mostrar ou demonstrar?

Privilegiar a simplicidade – um erro comum é a sobrecarga de informações no gráfico, tornando-o difícil de ler. Por isso, é importante planejar e fazer uma seleção rigorosa de dados e/ou itens a serem destacados.

Se basear em dados de fontes confiáveis (públicas),  que serão anotados na base do gráfico.

Se basear em gráficos já existentes: https://www.coolinfographics.com/ este blog contém exemplos de gráficos bem sucedidos.

Escolher o formato – grande vertical ou paisagem.

Cuidar da narrativa visual – os componentes da infografia devem permitir a compreensão imediata do sentido geral. O texto deve ser tão pequeno quanto possível.

Concluir – os elementos de conclusão contribuem para dar um significado claro à computação gráfica.

Assinar a infografia – para cuidar da sua reputação e indicar a sua origem.

Ferramentas grátis para criar infográficos

Visua.ly (Clicar para ir para o site)

O Visua.ly funciona como um repositório de ótimos trabalhos. No site é possível encontrar infográficos incríveis, que são compartilhados para servir de inspiração.

Porém, a grande diversão está na criação de infográficos baseados no seu comportamento no Twitter ou Facebook. Conecte-se usando seus dados nestas redes sociais e crie infográficos sobre você ou sobre as páginas que você administra.

Depois, salve em PDF e compartilhe com os amigos. Sem dúvida, você vai se impressionar com o volume de dados e informações que produz nas redes sociais e nem se dá conta.

Piktochart (Clicar aqui para ir para o site)

Com três temas grátis, o Piktochart já permite que você crie e monte os seus infográficos com mais liberdade.

Há mais temas disponíveis, mas para usá-los é necessário contratar um dos planos que custam a partir de US$14.00. Com uma tela de criação, basta escolher o tema e personalizar o infográfico de acordo com a sua criatividade.

Em três passos, tudo pode ficar pronto e disponível no formato PNG. Mude as fontes, cores e imagens, para criar um infográfico com a sua cara.

Infogr.am (Clicar aqui para ir para o site)

Lembrando o nome Instagram, o Infogr.am também é uma ferramenta simples e rápida para criar, tanto infográficos, quanto gráficos tradicionais, como os de pizza e barra.

No plano gratuito, há seis temas diferentes que podem ser personalizados. Aqui, o foco é o trabalho com tabelas e números. Desta forma, é possível tabular dados no Excel, por exemplo, fazer o upload para o Infogr.am e transformar tudo em um infográfico diferente e exclusivo.

Easel.ly ( Clicar aqui para ir para o site)

A ferramenta que oferece mais temas e opções, de todas as listadas acima é, sem dúvida, a Easel.ly. Com 15 temas disponíveis, é possível modificar as sugestões de infográficos de acordo com a sua demanda.

Basta clicar e alterar todos textos e imagens, bem como fazer o upload das suas imagens ou logo da sua empresa. O mais interessante é que tudo pode ser personalizado, do texto ao plano de fundo, passando pelo nome do arquivo e os objetos inseridos no infográfico.

Tudo fica de acordo com a sua imaginação. Depois de pronto, você pode embedar o infográfico, compartilhar nas redes sociais ou salvar em JPEG.

Tutorial – Criando Infográfico com easel.ly

Depois de se registrar no Easel.ly (necessário para salvar os projetos), clique em Get started para iniciar suas criações.

Será apresentado um projeto-tutorial com informações úteis sobre o serviço. Utilize os temas, localizado no menu Vhemes para utilizar um infográfico predefinido, para isso arraste um tema para a área de criação.caite

Para editar os textos, basta dar dois cliquessobre o texto que deseja modificar. Se quiser mudar a posição de um objeto, basta clicar sobre o mesmo para selecioná-lo e arrastar para o localdesejado. Para ampliar ou diminuir um objeto, selecione-o e arraste pelas bordas.

Ao selecionar um objeto, uma barra de ferramentas aparecerá acima do canvas. A barra oferece opções de deletar, duplicar, alterar a opacidade e cor, e bloquear elementos para que não possam ser modificados. Ainda é possível trazer cada elemento para frente ou para trás de outros elementos.
bixa

Para inserir objetos, clique em Objects, selecione uma categoria em choose category e arraste o objeto para o canvas. Se quiser alterar o fundo, basta seguir o mesmo processo, clique em backgrounds e arraste o fundo para a área. Também é possível alterar o formato do fundo para “paisagem”, “retrato” e “mobile”.

Alguns temas disponíveis e os recursos do serviço:
haie

Terminou sua criação? Clique em Save, localizado no topo da tela, digite o nome do infográfico e clique no botão Save.

card

Para compartilhar ou fazer o download do infográfico, clique em Home e em Leave. Você verá seus projetos em my visuals. Clique em view | share e depois em download para baixar a imagem em formato .jpg ou utilize um dos links disponíveis para compartilhar o seu infográfico.

share

Fazer Infográficos usando o Power Point:
power

https://offers.hubspot.com/how-to-easily-create-five-fabulous-infographics-in-powerpoint
https://www.socialmediatower.com/como-fazer-infograficos-usando-o-power-point

 

Exemplos de Infográficos

info1 info5info3 info4

Vídeos Recomendandos

Clique AQUI – Como fazer um infográfico

Clique AQUI – Quais os 10 requisitos de uma infografia apelativa?

Clique AQUI – CPBR4 – Infografia e visualicaçao de dados

Clique AQUI – Cara Criativo – Criação de infográfico

Clique AQUI – Infográfico -Tutorial

Leituras Recomendadas

CIRNE, Livia. Novas imagens tecnológicas: a infografia no jornalismo. 2010. Disponível para download gratuito aqui – https://www.cchla.ufpb.br/ppgc/smartgc/uploads/arquivos/8c9993063620101112101044.pdf

SCHMITT, Valdenise. A infografia jornalística na ciência e tecnologia: um experimento com estudantes de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. 2006. Dissertação. (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento). Disponível AQUI – <https://www.bocc.ubi.pt/pag/schmitt-valdenise-infografia-jornalistica.pdf>.

Conclusão

O infográfico nada mais é que a arte de explicar o conteúdo de uma forma mais dinâmica e fácil de entender. Gráficos, textos e ilustrações entrosados de uma maneira quefacilite a leitura e compreensão.

Pode-se dizer que, por exemplo, o leitor vai se interessar muito mais em um infográfico bem feito, do que apenas um texto longo e linear.

Muitas revistas, manuais técnicos, educativos, e principalmente veículos jornalísticos usam essa técnica.

info2

Estude Grátis é uma simples e poderosa ferramenta que lhe ajudará a passar nos melhores Concursos Públicos. São milhares de Questões de Concurso para você filtrar e estudar somente aqueles temas que estão especificados em seu Edital.

Estude Grátis © 2017 - Desde 2011